Image
Image

NOTÍCIAS

Vida Rural | 10/07/2018

O futuro do Montado depende de um conjunto de medidas, que passam por juntar todos os agentes: produtores, indústria, investigadores e o Estado, num compromisso que permita travar o declínio, aumentar a produtividade das áreas existentes, adensá-las e plantar novas, também em regiões não tradicionais. É preciso estudar e perceber melhor este ecossistema único, apostar em práticas menos lesivas, como a proteção do solo, e em novas soluções, como a rega.

Opiniões e perspectivas de Miguel Freitas, Secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, António Gonçalves Ferreira, Presidente da Direção da UNAC - União da Floresta Mediterrânica e João Rui Ferreira, Presidente da Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR).

Artigo na íntegra AQUI.

Inserido no programa de seminários da Feira Nacional da Agricultura, decorreu, a 5 de junho, o seminário Anual da Fileira da Cortiça. O evento contou com Conceição Santos Silva (UNAC), Helena Pereira (FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia), Nuno Calado (UNAC) e João Rui Ferreira (APCOR - Associação Portuguesa da Cortiça) como oradores e mais de 80 participantes.

 

Apresentações disponíveis:

CAMPANHA DE CORTIÇA 2017 E PERSPETIVAS PARA 2018 | Nuno Calado (UNAC)  (download)

AGENDA FCT DE I&I SOBRE AGROALIMENTAR, FLORESTAS E BIODIVERSIDADE: APLICAÇÃO AO SOBREIRO E CORTIÇA | Helena Pereira (FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia) (download)

MERCADOS MUNDIAIS DA ROLHA DE CORTIÇA: EVOLUÇÕES E TENDÊNCIAS | João Rui Ferreira (APCOR)  (download 1/2, 2/2)                                                

 

 Barra de Cofinanciamento FEADER                                                         

                                                   

FNA - Feira Nacional de Agricultura - Sala Scalabis | Santarém | 5 de Junho

A UNAC - União da Floresta Mediterrânica organizou, no passado dia 5 de Junho na Feira Nacional de Agricultura, na sala Scalabis, o "Seminário Anual da Fileira da Cortiça".

O Seminário Anual da Fileira da Cortiça pretendia fazer o balanço da campanha de 2017, analisar e debater as dinâmicas de comercialização, os preços, etc., as perspetivas para 2018 e a evolução e tendências das rolhas de cortiça.

Foram igualmente apresentados os Grupos Operacionais do Sobreiro e da Cortiça e, na perspetiva do sobreiro e da cortiça, a Agenda de I&I sobre Agroalimentar, Florestas e Biodiversidade que se desenvolve em torno de três dimensões de reflexão no sentido de chegar a desafios e linhas de investigação e de inovação relevantes para o país numa perspetiva de médio e longo prazo (2030).

imagem seminario

Conceição Santos Silva (UNAC), Helena Pereira (FCT - Fundação para a Ciência e a Tecnologia), Nuno Calado (UNAC) e João Rui Ferreira (APCOR - Associação Portuguesa da Cortiça) foram os oradores deste seminário.

 

Veja em anexo o programa detalhado AQUI.

 

Barra de Cofinanciamento FEADER

 

 

Decorreu no passado dia 27 de Abril, na OVIBEJA, o Workshop " Projetos de apoio e valorização do Montado: AdaPT, LIFE e POCTEP ", enquadrado num ciclo de transferência de conhecimento designado "+ Conhecimento/ha", que visa a partilha de inovação e a incorporação de práticas de gestão mais adequada.

Programa

Enquadramento UNAC (Nuno Calado | UNAC)

AdaptForChange: Melhorar o sucesso da reflorestação em zonas semiáridas (Cristina Branquinho | FCUL) (1, 2, 3)

LIFE+ bioDehesa: gestão integrada e sustentável das Dehesas da Andaluzia (Jacobo Santos |Consejería de Medio Ambiente y Ordenación del Territorio) (1, 2, 3)

LIFE+ SUBER: técnicas inovadoras de gestão florestal em sobreirais para promover a adaptação às alterações climáticas (Roser Mundet | Consorci Forestal de Catalunya) (1, 2)

LIFE Montado Adapt: adaptação dos Montados às alterações climáticas  (Maria Bastidas | ADPM) (1)

LIFE Food & Biodiversity: critérios efetivos de biodiversidade para selos e rótulos do sector alimentar (Carlos Teixeira | Instituto Superior Técnico) (1)

PRODEHESA Montado: Projecto de cooperação transfronteiriça para a Valorização Integral da Dehesa-Montado (Patricia Mora  | Gestiona Global S.L.) (1)
 
20180427 163524

 

A UNAC - União da Floresta Mediterrânica vai realizar, no próximo dia 27 de Abril na OVIBEJA, na Arena do Azeite o Workshop " Projetos de apoio e valorização do Montado: AdaPT, LIFE e POCTEP ".

Um conjunto diversificado de programas de apoio, de que são exemplo o AdaPT, o LIFE e o POCTEP, têm possibilitado a execução de vários projetos sobre o Montado, em temáticas tão diversas como a adaptação às alterações climáticas, a gestão integrada do Montado e a Valorização Integral da Montado, com resultados relevantes, pelo que é essencial transferir este conhecimento para os produtores florestais.

Este workshop está enquadrado num ciclo de transferência de conhecimento designado "+ Conhecimento/ha", que visa a partilha de inovação e a incorporação de práticas de gestão mais adequadas.

Cristina Branquinho (FCUL), Roser Mundet (Consorci Forestal de Catalunya), Maria Bastidas (ADPM), Carlos Teixeira (Instituto Superior Técnico) e Carmen González Ramos (CICYTEX - Centro de Investigaciones Científicas y Tecnológicas de Extremadura) são os oradores já confirmados para este workshop.

Veja AQUI o programa detalhado.

As inscrições são gratuitas (mas não dispensam a aquisição de ingresso na OVIBEJA no local) e serão aceites pela ordem de receção, até à capacidade da sala.

Inscrições no Link AQUI.

Mais informações em 217100014.

 

pdr pt2020 feader

PRESS RELEASE

Proprietários rurais e gestores contra alargamento de ZPE em mais de 350% quando Governo corta 17 M€ nas medidas de apoio à Rede Natura 2000

Com este brutal alargamento da ZPE, proprietários rurais e gestores do território ficarão sujeitos a mais constrangimentos às suas atividades mas sem os apoios públicos para a promoção da conservação da natureza e da biodiversidade e para compensação pelas limitações que aí virão. Não se compreende ainda que se criem condicionamentos quando é o próprio ICNF a confessar que as aves escolheram ficar fora da atual ZPE. Seguramente porque fora da atual ZPE encontraram boas condições para prosperar!

 

Lisboa, 13 de Abril de 2018 – Os proprietários rurais são responsáveis por atividades agro-florestais essenciais, em muitos casos, para a conservação da natureza e gestão da biodiversidade (CN &B). É nos territórios geridos por estes que ocorrem valores naturais de extrema relevância a nível nacional e comunitário, cuja existência depende largamente de um conjunto de práticas rurais extensivas de carácter agrícola, pecuário, silvícola e cinegético.

Prova disso mesmo é a justificação apresentada pelo ICNF para a «necessidade» de alargamento da ZPE do Tejo Internacional, Erges e Ponsul em mais de 350%, dos atuais 24.406 ha para 85.973 ha.

Segundo este instituto, o alargamento da ZPE deve-se ao facto de ter sido constatado «que a maioria dos ninhos [de águia-imperial-ibérica] se encontra fora dos limites da atual ZPE» bem como «que as áreas de alimentação conhecidas nos territórios de nidificação também se localizam fora dos atuais limites» tal como o facto de «algumas das espécies rupícolas se alimentam fora da atual ZPE».

Ou seja, comprova-se que estas aves preferem ocupar territórios fora da atual ZPE na medida em que os ninhos da águia-imperial-ibérica estão maioritariamente localizados na área que se propõe classificar agora, o que é revelador que a gestão privada praticada tem sido adequada, o que tem sido confirmado pela evolução do n.º de ninhos nesta zona, sendo um dos principais núcleos de nidificação da espécie em Portugal.

Não obstante, ao invés de premiar o trabalho desenvolvido por proprietários e gestores que permitiram o estabelecimento destas aves protegidas fora da ZPE, criam-se limitações e condicionantes a esses mesmos proprietários, colocando-lhes em cima das propriedades uma figura de proteção que, neste caso, em nada contribui para que tais aves prosperem.

Refira-se a importância que a área associada da AFLOBEI possui na atual delimitação da ZPE (46 %, cerca de 11.319 ha) e na futura delimitação da ZPE (33 %, cerca de 28.452 ha).

Importa referir que a águia-imperial-ibérica esteve extinta até há bem pouco tempo em Portugal e que a sua recuperação nesta zona do País em nada se deveu à existência de uma ZPE ali bem perto. As águias escolheram os territórios que ocupam atualmente porque aí têm condições adequadas de habitat e alimento. Não será, por conseguinte, a criação de uma ZPE, à posteriori, que irá conservar esta espécie.

Importa ainda referir que o total desinvestimento na conservação da natureza por parte do Governo e do Estado, preferindo como se constata classificar novas áreas e criar novas condicionantes, ao invés de apoiarem os agentes que no território são responsáveis 365 dias por ano por garantir as condições que as espécies pelas quais tais áreas são criadas, possam prosperar, não acontece apenas neste caso.

Veja-se o exemplo de várias medidas no âmbito do corrente programa de desenvolvimento rural (PDR2020) para apoio à conservação da natureza, com destaque para o lince-ibérico, medidas essas que nunca chegaram a abrir e, a menos de 2 anos do final deste quadro comunitário, já nem sequer constam do plano previsional para abertura de concursos do PDR (caso das medidas “Manutenção de Habitats do Lince Ibérico (7.10.1)”; “Manutenção e Recuperação de Galerias Ripícolas (7.10.2) ou “Apoio Zonal Outras Áreas Estepárias (7.3.2)”)).

Por conseguinte, os atrasos na implementação de acções previstas no PDR que apoiam a viabilidade e o desenvolvimento destas actividades rurais, comprometem gravemente a preservação e a promoção dos valores naturais existentes nestes territórios.

No caso da ZPE do Tejo Internacional, Erges e Ponsul não estão previstos nenhuns mecanismos de apoio à conservação da natureza nem sequer foi feita reflexão e quantificação daquilo que seria necessário.

Qualquer alteração territorial de uma ZPE, ainda mais desta dimensão (acréscimo de 350%), deveria implicar um estudo de impacto económico e social e, se necessário e aplicável, medidas de apoio financeiro. De igual modo, deveria ser avaliado se o Estado, o ICNF neste caso, tem os meios adequados para assegurar a resposta adequada ao aumento de competências inerentes ao aumento da área, e que se traduzem em vigilância e resposta a procedimentos administrativos (pareceres, licenças, autorizações, etc.).

Não só isto não acontece como o Estado prepara-se, no âmbito da proposta de reprogramação do PDR 2020, para retirar 17 milhões de euros das Operações 7.3.1 e 7.3.2 relativas aos Pagamentos Rede Natura.

Os proprietários rurais privados, que são os responsáveis pela CN &B, neste caso pelo aumento dos ninhos da águia-imperial-ibérica, querem por isso ser envolvidos e reconhecidos enquanto tal. Solicitam por isso, de forma prévia à alteração da delimitação, que se:

  • efetue, em conjunto com os produtores agroflorestais da atual delimitação da ZPE uma avaliação do modelo de funcionamento, identificando e introduzindo oportunidades de melhoria.
  • efetue um estudo de impacto económico e social e, se necessário e aplicável, a definição de medidas de apoio financeiro.
  • identifique quais os meios adequados para assegurar a resposta adequada ao aumento de competências inerentes ao aumento da área, e que se traduzem em vigilância e resposta a procedimentos administrativos (pareceres, licenças, autorizações, etc.).
  • redefina a delimitação proposta para a expansão da ZPE em critérios técnicos e não administrativos.
  • providencie os apoios públicos (nacionais e comunitários) necessários, sempre que essas atividades causem perdas económicas ou necessidades particulares de investimento, o que não está previsto nem considerado.

Documento disponível para consulta AQUI.

152 Participantes reunidos em Coruche para salvar o Montado de Sobro

Inserido no ciclo de workshops “+ Conhecimento/ ha” decorreu na passada terça-feira, dia 10 de Abril, no Observatório do Sobreiro e da Cortiça em Coruche, a sessão dedicada à Gestão do sobcoberto em montado, uma das opções de gestão que pode ter maior impacte sobre a sua vitalidade.

Programa

Enquadramento (Nuno Calado | UNAC)

Estrutura e funcionamento das raízes em sobreiro: o uso de água (Conceição S. Silva | UNAC)

Gestão de matos: grade de discos vs corta-matos (Constança Camilo-Alves | UEvora)

Gestão de matos na perspetiva da biodiversidade (Jorge Capelo | INIAV)

Gestão de matos e a importância apícola (Ofélia Anjos | ESACB) (1, 2, 3)

Gestão de pastagens e conservação do solo (Mário Carvalho | UEvora)

Intensificação da pecuária sustentável (José Mira Potes | ESAS)

Análise da rentabilidade económica e de sustentabilidade (António Gonçalves Ferreira | UNAC) 

 

 

Barra de Cofinanciamento FEADER

PRESS RELEASE
Sala cheia no observatório do sobreiro e da cortiça para o workshop do ciclo “Mais Conhecimento/ ha” 
 

Lisboa, 12 de Abril de 2018 – Inserido no ciclo de workshops “Mais Conhecimento/ ha” decorreu na 3ª feira no Observatório do Sobreiro e da Cortiça em Coruche, uma muito concorrida sessão dedicada à Gestão do sobcoberto em Montado, uma das opções de gestão que pode ter maior impacte sobre a sua vitalidade, como defendido por todos os oradores.

No actual contexto de variabilidade climática, períodos de maior carência hídrica como foi o ano de 2017, necessitam de montados com boa vitalidade para resistirem a tão forte stress. Alguns dos factores mencionados que contribuem de forma positiva para a vitalidade são a salvaguarda do sistema radicular, optando por métodos de controlo da vegetação não destrutivos, como são o corta - matos, uma adequada gestão de pastagens que possibilite um aumento do teor do solo em matéria orgânica e o controlo da erosão, assim como o adequado pastoreio do gado em regime extensivo.

O presidente da UNAC – União da Floresta Mediterrânea, António Gonçalves Ferreira referiu 3 factores críticos mais relevantes para o subericultor:

  1. Controlar o risco de incêndio sem mobilizar o solo e proteger a regeneração natural
  2. Controlar e corrigir os níveis de fertilidade do solo
  3. Promover o uso múltiplo do sistema

Mas ter um montado mais resiliente tem impactos em termos económicos num contexto de perda de produtividade que se tem verificado nas últimas décadas. A manutenção da vitalidade tem custos associados à adaptação às alterações climáticas para os quais há uma total ausência de apoios públicos.

Afirmou ainda que "em 2017, apenas abriu um concurso do PDR2020 para apoiar a regeneração natural, deixando ao abandono centenas de milhares de hectares de montado onde urge agir." O investimento em montado de sobro é sempre um investimento cujo retorno de capital ocorre no longo prazo e são necessárias medidas de incentivo para que esse investimento, numa lógica de economia circular, volte ao montado e não se disperse noutros usos alternativos de diferente rentabilidade.

Referiu também que "após 6 meses ainda não existe nenhuma aprovação, e que o Governo se prepara para retirar 26 milhões de euros dos apoios aos Sistemas Agro-Silvo-Pastoris sob Montado e 17 Milhões Euros dos apoios às arborizações, o que é incompreensível face à importância do Montado e à reafirmada aposta do Estado no apoio às florestas autóctones.  "

Documento disponível para consulta AQUI.

Diário de Notícias | 05/04/2018
 
Muito crítico das opções seguidas para a reforma da floresta, António Gonçalves Ferreira diz que a proibição da plantação de eucaliptos foi política e não técnica. 
O presidente da UNAC acusa ainda o governo de não criar incentivos para as outras espécies, antecipando assim um agravamento do abandono do Interior. 
 
Artigo na íntegra AQUI.

Cerca de 120 participantes participaram no Seminário " FLORESTA 4.0- DIGITALIZAÇÃO NA CRIAÇÃO DE VALOR E DE VANTAGENS COMPETITIVAS PARA A GESTÃO E PRODUÇÃO FLORESTAL". 

Foram analisadas diferentes tecnologias digitais que podem contribuir para a criação de valor para a produção florestal. A necessidade de introduzir a digitalização nas agendas de ID+i florestal em Portugal, de divulgar algumas aplicações e tecnologias já existentes, de integração de tecnologias e de disponibilização de dados e informação foram algumas das conclusões mais relevantes, a par do enorme potencial de desenvolvimento para a gestão e produção florestal.

Programa

Floresta 4.0 - Nuno Calado | UNAC

Produção e Gestão Florestal - Alexandra Marques | INESC TEC 

Sensores IoT para prevenção de incêndios florestais (Eduardo Henriques | Smart Forest)

Plataforma de acesso a serviços ligados a variáveis meteorológicas, fogos e fogo controlado (Sílvia Nunes | Instituto Dom Luíz - Faculdade de Ciências de Lisboa) (1, 2, 3)

Plataformas web para gestão de sistemas de certificação florestal (André Barriguinha | Agriciência)

Serviços, sistemas e plataformas de monitorização ambiental no apoio à gestão florestal (Francisco Manso | Trigger.systems)

Os Drones no Apoio à Gestão Florestal (Alexandre Sarmento | TerraDrone) (1, 2)

Pág. 1 de 2
© 2018 UNAC. All Rights Reserved. Powered By Agri-Ciência

Search